Negócios e Política

Pagamento mínimo do cartão de crédito: entenda como funciona!

Pagamento mínimo do cartão de crédito: entenda como funciona!

O pagamento mínimo do cartão é uma opção para quem não tem o valor total da fatura disponível. Mas há riscos na operação. Entenda quais são

O pagamento mínimo do cartão de crédito é uma facilidade que esconde armadilhas ao consumidor. Quem escolhe quitar apenas uma parte da fatura coloca o próprio orçamento em risco, já que as taxas e juros que vêm a seguir podem tornar a dívida difícil de pagar.

É fácil entender: ao pagar o valor mínimo da fatura do cartão, o consumidor empurra o restante da conta para outro momento. Só que, quando esse momento chegar, a cobrança será atualizada.

Você saberia dizer qual o percentual que se aplica nesse caso para definir o novo valor devido? Segundo apurou uma pesquisa do SPC Brasil, 96% dos brasileiros não sabem, pois desconhecem as taxas envolvidas em operações de crédito.

Ainda assim, 38% deles já usaram ao menos uma vez o pagamento mínimo do cartão. Se é o seu caso, chegou a hora de entender como funciona e fugir de uma pendência financeira que pode se transformar em uma verdadeira bola de neve.

Como funciona o pagamento mínimo do cartão de crédito?

O pagamento mínimo do cartão de crédito é um recurso que prevê a quitação do menor valor possível previsto na fatura. É o que as instituições emissoras aceitam como o mínimo para não negativar o nome do cliente e bloquear seu cartão.

Ao quitar qualquer quantia entre o mínimo e o total da fatura, o que ficar pendente será lançado no próximo mês. Contudo, esse valor será acrescido de taxas e juros, o que tradicionalmente é conhecido como crédito rotativo.

Segundo estatísticas do Banco Central, os juros do rotativo podem ser superiores a 20% em um mês. Nesse caso, por exemplo, se o saldo não quitado for de R$ 100, a próxima fatura já começa em R$ 120. Se voltar a pagar o mínimo, a dívida se acentua bastante.

Por isso, usar o pagamento mínimo é indicado apenas se você tiver o valor para quitar a fatura no mês seguinte, ou seja, se precisar somente de tempo para quitá-la. Caso contrário, o parcelamento é uma opção melhor, uma vez que seus juros são mais baixos, sobretudo se você solicitar antes do vencimento.

Por que você deve evitar o pagamento mínimo do cartão?

De maneira geral, o pagamento mínimo prejudica o limite do cartão, pois a instituição financeira só libera crédito referente à parte quitada.

Mas pode ser pior, é claro. É muito importante ter atenção com os juros que vão incidir sobre a quantia pendente. Se não houver organização financeira, o consumidor pode novamente ter problemas para quitar o valor integral da fatura.

No caso do crédito rotativo, a correção se dá a partir de juros compostos. Ou juros sobre juros, como são conhecidos popularmente. Essa característica torna a dívida mais cara mês após mês. Então, quanto mais demorar a pagar, mais difícil fica de quitar o valor.

Como calcular os juros do pagamento mínimo do cartão de crédito?

O banco emissor do cartão é o responsável por determinar a quantia mínima da fatura. Conhecendo esse valor, o próximo passo é entender qual a taxa aplicada pela instituição financeira nesses casos.

Como mencionado antes, o Banco Central possui uma área em seu site onde divulga as taxas de 60 instituições do país. A informação sobre a taxa também está disponível no contrato do cartão e na própria fatura.

Sabendo o valor do pagamento mínimo, basta subtrair do total para descobrir a quantia devida que ficou pendente para a próxima fatura.

Seguindo nosso exemplo de antes, se o total é de R$ 120 e o mínimo aceito é R$ 20, você vai “pedalar” R$ 100 para o mês seguinte. Então, deve somar a taxa utilizada pelo emissor do cartão a esse valor.

Mas, atenção: a próxima fatura vai adicionar ainda o custo de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), que incide de forma diária e mensal sobre o montante devido.

Dicas para se organizar e evitar pagar o mínimo da fatura

Agora que você já sabe o que é pagamento mínimo do cartão de crédito, só resta saber como usar com sabedoria. Confira estas dicas:

  • Faça o controle financeiro com o apoio de aplicativos e planilhas, registrando todas as despesas
  • Saiba quanto você deve para organizar a renda e pagar a fatura completa
  • Corte despesas desnecessárias, como gastos em restaurantes e lojas
  • Inclua o pagamento da fatura do cartão como prioridade no mês
  • Prefira o parcelamento, pois ele contém juros mais baixos.

Pronto para se organizar financeiramente? Coloque essas dicas em prática e melhore a sua relação com o dinheiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um + 11 =